Preço dos imóveis residenciais no Brasil cresce 0,10% em setembro 12 Nov 2018


Resultado puxa aceleração do índice acumulado em 12 meses, que atingiu a marca de 0,60%. Recife foi a única capital em que a queda nos preços dos imóveis se acentuou.

O Índice Geral do Mercado Imobiliário Residencial (IGMI-R), medido pela Associação Brasileira das Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança (Abecip), acelerou em setembro. Com o aumento de 0,10% no preço dos imóveis residenciais no mês, o indicador acumulado em 12 meses passou de 0,46% para 0,60%.

Nos últimos 12 meses, apenas Recife (PE), entre as capitais brasileiras, registrou tendência de aceleração da queda de preços (-0,39% em setembro contra -0,12% em agosto). Ainda no acumulado de 12 meses, a cidade de Fortaleza (CE), passou de uma variação negativa em agosto (-0,13%) para positiva em setembro (0,13%). Todas as outras capitais apresentaram aceleração nas suas taxas positivas de crescimento dos preços nominais dos imóveis residenciais.

Sob a perspectiva das variações trimestrais, os números não apresentam aceleração para o Brasil, assim como para a maioria das capitais. Para o Brasil, a variação do terceiro trimestre de 2018 sobre o segundo foi de 0,07%, enquanto que a variação do segundo sobre o primeiro trimestre foi um pouco superior, registrando 0,08%.

De acordo com a Abecip, ao tomar como base a série histórica do IGMI-R em termos trimestrais, a aceleração da recuperação dos preços dos imóveis residenciais, na perspectiva puramente estatística, se torna mais difícil, a partir do último trimestre de 2018.

“Em termos dos fundamentos econômicos, principalmente no que diz respeito aos investimentos, o ambiente ainda é dominado pelos efeitos da incerteza gerada pelo quadro político. Como resultado, a probabilidade de uma aceleração mais forte na retomada dos preços dos imóveis residenciais ainda é pequena no curto prazo”, completa o relatório da Abecip.

Fonte: AECweb